Crisálida mostra de forma realista e ousada os desafios enfrentados por jovens surdos em um mundo desenhado apenas para ouvintes. O nome se refere ao tempo de recolhimento e isolamento da lagarta antes de romper a casca e se transformar em borboleta. É uma referência ao mundo dos surdos e à metamorfose que ocorre em suas vidas ao aprenderem a língua de sinais.

Tudo começou com o curta-metragem Crisálida, contemplado no Edital Armando Carreirão do Funcine, em 2014. O filme conta a história de Rubens e a mudança que acontece em sua vida quando aprende a língua de sinais: as maravilhosas descobertas, mas também a difícil luta pelo direito de usar a Libras, vivenciar a cultura surda, ser aceito e conquistar seu espaço e seu amor.

O curta foi muito aplaudido pela comunidade surda, mas é ainda mais surpreendente para os ouvintes, pois mostra de forma sensível a importância da língua de sinais no desenvolvimento dos surdos e revela a batalha pela acessibilidade e contra os preconceitos que muitas vezes passa despercebida por aqueles que não convivem com surdos.

Alessandra Rosa Pinho (roteirista) e Serginho Melo (diretor)

O curta-metragem deu origem à série Crisálida. Um diferencial marcante no trabalho é que todos os personagens surdos são interpretados por pessoas surdas, e o elenco conta com mais de vinte surdos, que em sua maioria não eram atores. Mas não se percebe isso. Seria por causa dessa experiência cotidiana com uma língua visual que os surdos se mostraram tão naturais e expressivos na atuação?

Na língua de sinais, expressões faciais e corporais fazem parte dos sinais, não são apenas expressões espontâneas ou ênfase pessoal na comunicação, mas elementos da língua. A Libras também utiliza os classificadores, que são descrições visuais, e em muitas situações essas descrições são tão ricas em detalhes e feitas com tanta energia e vivacidade que encantam os interlocutores. Os surdos utilizam esses recursos de comunicação visual com muito destreza, e geralmente a sinalização feita por surdos é mais expressiva do que aquela feita por ouvintes que conhecem a língua. Quando se conhece um pouco da língua de sinais, começa a chamar a atenção como a sinalização pode ser bonita. E muitos surdos capricham mesmo!

A primeira temporada da Série Crisálida estreou no dia 26 de setembro de 2019 na TV Cultura, e teve uma excelente repercussão junto ao público e à imprensa. Em 1º de maio de 2020, entrou para o catálogo exclusivíssimo da Netflix, no Brasil e em Portugal. A segunda temporada, contemplada no Prêmio Catarinense de Cinema 2019, tem a produção prevista para meados de 2021.

O longa-metragem Crisálida – O Filme é um recorte da primeira temporada. Estreou no FAM 2019, mas ainda é inédito no circuito comercial. Já a segunda temporada, contemplada no Prêmio Catarinense de Cinema 2019 está prevista para ser realizada em 2021.